1
Jan
2013
0

La vida útil – Um conto de cinema

UM CONTO SOBRE CINEMA

O filme uruguaio La vida útil é mais um conto sobre cinema do que um conto sobre a vida útil das coisas. Na era da descartabilidade e da falência de modelos antigos de negócio, certas profissões e instituições como as lojas de CD, as videolocadoras, as gravadoras e as cinematecas começaram a perder espaço até se verem obrigadas a fechar as portas. A escassez de público e patrocínio foi crucial nesses casos. O protagonista Jorge sofre com uma situação semelhante a essas, quando a cinemateca em que trabalha há muitos anos fecha as portas por falta de verba. Sem rumo, ele decide procurar uma nova motivação na vida e vai atrás de um possível amor, uma professora freqüentadora do local. Essa crônica sobre processos de perda gerados pelo progressismo não é tão importante quanto a homenagem que o diretor Federico Veiroj faz ao Cinema com C maiúsculo.

Jorge é uma figura do passado. Ficou preso naquela vida pelo seu amor a essa arte. Isso justifica o fato do filme emular as produções do Primeiro Cinema com algumas de suas características marcantes como: imagem em preto e branco, plano fixo com algumas poucas panorâmicas, trilha antiga, corte seco, créditos no início e imagem quadrada. A história é atual, mas a estética é dos primórdios da Sétima Arte. Embora haja coerência conceitual, esse simulacro acaba atrapalhando a fluidez narrativa e o filme, que tem duração de uma hora, parece ter duas. Junto a isso, algumas cenas que fazem referência a clássicos do cinema ficaram desvinculadas da trama, se configurando apenas como uma homenagem solta, caso do plano de Jorge dançando na escada. Novamente, mesmo tendo sido o objetivo da direção assumir a ficcionalidade do projeto em vários âmbitos (o protagonista é interpretado por um reconhecido crítico de cinema uruguaio homônimo ao personagem, ele finge ser professor em uma cena e o fato do próprio filme simular uma película antiga), esses fatores reunidos dão uma certa aura de produção universitária. Ainda mais com a falta de naturalismo nas interpretações.

No roteiro existem acertos e erros. Por um lado o paralelo entre a crise econômica da cinemateca e a existencial de Jorge funciona e a melancolia que perpassa por todo o filme é utilizada de maneira elegante. Por outro, apesar da premissa ser interessante, o longa em si não desenvolve muito a questão central e apresenta soluções fáceis e pouco criativas. Mesmo assim, La vida útil se trata de uma simpática homenagem através desse singelo conto, calcada na simplicidade do amor à Sétima Arte.

Ficha Técnica

Diretor: Federico Veiroj
Elenco: Jorge Jellinek, Manuel Martinez Carril, Paola Venditto

Gênero: Drama
Duração: 70 minutos
País: Uruguai/Espanha

 

You may also like

O que significa realmente Valar Morghulis?
A grande aposta
Reações facebookianas aos filmes do Oscar
O regresso

Leave a Reply