13
Jun
2011
0

Vicky Cristina Barcelona

Doce Deleite

     Aos 73 anos, com uma filmografia extensa e uma produção anual contínua é de se esperar que com o tempo, Mr. Woody Allen alternaria altos e baixos. Depois da trilogia inglesa que começou com o brilhante Match point, o razoável Scoop e por fim, o bem fraquinho O sonho de Cassandra, o diretor preferido da “tchurminha cult” provou com este Vicky Cristina Barcelona que ainda pode fazer o público se deleitar com suas ótimas histórias, cheias de tiradas sagazes e diálogos inteligentes.

     Dessa vez, nem a velha Manhattan, nem a nobre Londres e sim, a ensolarada Barcelona, onde fervem os amores na considerada melhor noite da Europa. Se a escolha dessa cidade como cenário foi devido ao suposto patrocínio dado pela prefeitura local, o que se pode dizer é que Allen construiu uma trama com a sua cara. Não teria tanto charme se fosse ambientada na sua querida Nova York ou em qualquer outra cidade do mundo.

     A trama gira em torno de duas amigas, Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson), americanas que vão passar férias no balneário espanhol. A primeira é noiva de um yuppie e está na cidade devido ao seu mestrado na língua catalã. A segunda foi acompanhando a amiga, mas sem muitos planos, almejando apenas se divertir. Em um restaurante Juan Antonio (Javier Bardem) cruza o caminho das duas, um espanhol pra lá de atraente, artista plástico e sem amarras morais. É interessante observar que existe um tripé cênico constante: três personagens interagem e se relacionam de determinado modo condicionado pelos componentes da tríade. No começo esse tripé é formado pela força de Juan Antonio, a sensualidade de Cristina e a insegurança de Vicky. Mais para o meio do filme quando o furacão Maria Elena (Penélope Cruz), ex-mulher do pintor e também artista plástica, surge na tela é ela quem ascende, brilhando e seduzindo o espectador, e por sua vez, ofuscando o brilho de Juan Antonio e apagando Cristina, que fica perdida no meio da relação conturbada dos dois.

     O filme nos remete em vários momentos ao conterrâneo cineasta Almodóvar, porém sem suas tintas carregadas. Em certas partes temos certeza de que Juan Antonio e Maria Elena são personagens saídos da cabeça do cineasta espanhol. No sentido geral, Vicky Cristina Barcelona discute o tema filosófico preferido de Allen: os valores morais nos quais se apoia sociedade, criando um perfeito mundo de aparências. De um lado, Juan Antonio e Maria Elena representam os que transpuseram essas barreiras através da arte e vivem felizes assim. De outro, Vicky que os julga como loucos e nega aquele estilo de vida tão distante do seu na tentativa de esconder uma enorme curiosidade em relação a esse universo desconhecido e possível.  No meio disso tudo, Cristina tentando fazer a passagem de um estágio para o outro, com uma perna lá e outra cá.

     Impossível não se envolver com a história e com seus personagens muito bem construídos através de excelentes atuações.  Penélope, Javier, Scarlett, todos juntos… Uma sincronia de dar inveja… Um doce deleite!

Ficha Técnica

Diretor: Woody Allen

Elenco: Scarlett Johansson, Javier Bardem, Penélope Cruz, Rebecca Hall…

Gênero: Comédia / Romance

Produção: Espanha / EUA

Duração: 96 minutos

Publicado originalmente em 01 de dezembro de 2008.

You may also like

A grande aposta
Reações facebookianas aos filmes do Oscar
O regresso
Apostas para o Festival do Rio 2014

Leave a Reply