21
May
2011
0

Time

É tempo de se ocidentalizar

Time mostra um casal cuja mulher nutri um ciúme doentio pelo amado, o que a leva ao ato extremo de recorrer a uma plástica para “inovar a relação”. O diretor Kim Ki Duk tem como foco a solidão, ou melhor, o medo dela, que nesse caso é provocado pela passagem do tempo. A protagonista acredita que seu parceiro perderá o interesse conforme o tempo for passando e a relação deles for caindo na rotina. A solidão, aliás, é o tema que perpassa toda a obra do cineasta, seja tratando da sua presença em meio a aparente normalidade dos relacionamentos, como em Casa Vazia, ou a ocasionada pelo isolamento físico em Primavera, Verão, Outono, Inverno… e Primavera.

Apesar dessa coesão temática, Time difere bastante dos filmes anteriores do diretor, que contavam com roteiros muito bem construídos, onde o silêncio entremeava as relações e era tão eloquente, que valia por mil diálogos. Ki Duk trabalhava a ausência sob a perspectiva oriental, contemplativa, sem dramatizações excessivas ou verborragia, a fazendo presente não só no conteúdo, mas também na forma como filmava. Nada melhor do que a economia de palavras para expressar o vazio e simultaneamente, dar força a seu significado nos raros momentos em que vêm à tona. Em Time, a trama se passa na cidade, porém diferentemente de Casa Vazia, em que se manteve uma atmosfera bucólica dentro do cenário citadino. O filme é realmente urbano, com muito diálogo, sons diegéticos e grande movimentação cênica. É direto, objetivo e para os que conhecem a obra do cineasta coreano, pode até parecer meio óbvio.

A suavidade de seus trabalhos anteriores não teve vez nesse. Apesar dos assassinatos e brigas passionais usualmente presentes em suas tramas, a abordagem não era ocidental, tendendo para a tragédia, como estamos acostumados a ver do lado de cá do planeta. Entretanto, em Time prevaleceu o peso dos gritos de ciúmes, do choro e da histeria. O alto teor plástico de suas obras, provavelmente um resquício da fase em que foi pintor, foi reduzido drasticamente. Fica a sensação do exagero, de um tom falso, do melodrama barato. Uma perda para o Cinema de um olhar tão peculiar.

Ficha Técnica

Diretor: Kim Ki Duk

Elenco: Sung Hyun-ah, Ha Jung-woo, Hyeon-a Seong e Sung-min Kim…

Gênero: Drama

Produção: Coréia do Sul

Duração: 97 minutos

Publicado originalmente em 01 de setembro de 2007.

You may also like

O que significa realmente Valar Morghulis?
A grande aposta
Reações facebookianas aos filmes do Oscar
O regresso

Leave a Reply