15
May
2011
0

Pecados íntimos

As aparências enganam

Assim como os seus personagens, que levam uma vida de aparências, o novo filme de Todd Field, diretor do elogiado Entre quatro paredes, também engana à primeira vista. Seu título audacioso e cartaz provocante nos leva a pensar que se trata de uma crítica social densa com cenas fortes. Após dez minutos de exibição, porém, já fica perceptível que o filme não é tudo aquilo que parece (e pretende) ser.

A trama passada em um rico e (falso) moralista subúrbio dos EUA, sobre pais que se conhecem através de seus filhos pequenos e acabam se utilizando desse pretexto para se encontrarem diariamente estabelecendo uma relação extraconjugal, é uma adaptação do livro homônimo do escritor Tom Perrota. Autor conhecido de outras críticas à sociedade americana, como Eleição, que também ganhou uma versão cinematográfica há algum tempo atrás. Little children, no original (no Brasil o livro foi traduzido ao pé da letra como Criancinhas), visa mostrar a estrutura social engessada existente por trás do supostamente perfeito modelo de vida norte-americano que, segundo relata o autor logo nas primeiras páginas, leva as pessoas a tomarem atitudes imaturas e alienadas, como as de uma criança. Esse tema não é nenhuma novidade, já tendo sido muito abordado nos últimos anos. E a história em si também não surpreende. O que o livro traz de mais interessante é a forma como os fatos e os personagens são desenvolvidos, através de uma linguagem despojada, cheia de sarcasmo e ironia, que no filme foi quase totalmente suprimida, deixando na tela apenas o drama. A impressão que se tem é de estar assistindo a um episódio do seriado Desperate Housewives. Ainda mais quando entra a voz em off do narrador explicando, desnecessariamente, o que acabamos de ver com nossos próprios olhos. Pelo menos a voz é masculina, senão juraria estar ouvindo a finada Mary Alice do sitcom narrar a vida de suas ex-vizinhas.

Depois do ácido e maravilhoso Beleza Americana, benchmarking dos filmes sobre a crise de valores nos abastados subúrbios norte-americanos, ficou difícil inovar. Indicado ao Oscar nas categorias melhor atriz (Kate Winslet), melhor ator coadjuvante (Jackie Earle Haley) e melhor roteiro adaptado, como se pode perceber, o longa se sustenta nas ótimas atuações de seu elenco. Kate Winslet está perfeita, como de costume, no exato tom da Sarah do livro de Perrota. Jackie Earle Haley mostra toda a estranheza e imprevisibilidade de um pedófilo recém saído da prisão, fazendo valer sua indicação. Jennifer Connelly e Patrick Wilson também sustentam bem seus papéis, sendo que no filme, o bonitão Brad está menos cafajeste e um pouco mais doce e complacente do que no livro. Pecados íntimos é, de um modo geral, mais doce e complacente com seus personagens do que o livro que o inspirou.

Ficha Técnica

Diretor: Todd Field

Elenco: Kate Winslet, Patrick Wilson, Jennifer Connelly, Jackie Earle Haley, Sadie Goldstein…

Gênero: Drama

Produção: EUA

Duração: 137 min

Publicado originalmente em 01 de março de 2007.

You may also like

O que significa realmente Valar Morghulis?
A grande aposta
Reações facebookianas aos filmes do Oscar
O regresso

Leave a Reply