17
maio
2011
0

300

Beleza demais, conteúdo de menos

O diretor Zach Snyder optou por não fazer de 300 uma obra documental, presa ao fato histórico e sim, por criar uma alegoria a partir dele, sendo fiel, portanto, a graphic novel homônima do cultuado quadrinista Frank Miller, que deu origem ao filme. A história real dos trezentos soldados espartanos, que se atiraram em uma guerra suicida contra a gigante tropa do rei persa Xérxes é narrada como se fosse um mito grego. Além do soldado sobrevivente que relata o feito às gerações mais novas como um ensinamento moral, ainda vemos desfilar na tela todo o erotismo mitológico presente nos guerreiros de corpos belamente esculpidos e nus, na sensualidade feminina, nas relações de poder entre homens, deuses e semideuses, sem esquecer dos seres encantados, mistos de animal e homem, dotados de força descomunal e aparência bizarra.

Para dar vida a esse universo fantástico, uma direção de arte primorosa, que imprimiu uma estética específica ao filme inspirada nos próprios quadrinhos. A caracterização dos personagens é perfeita. Gerard Butler, intérprete do rei Leônidas, e os outros espartanos são estátuas gregas. O figurino e a maquiagem dos persas fazem referência à cultura árabe e são também muito ricos. O visual mais interessante é, inclusive, o do rei Xérxes, interpretado pelo brasileiro Rodrigo Santoro, que apesar da pequena participação consegue se fazer notar. Com os músculos à mostra, unhas e sobrancelhas feitas e vestindo trajes dourados, ele mistura a megalomania de um rei Midas com a vaidade de um Narciso.

O cenário em alguns momentos deixa transparecer ser cromakey. Mas os efeitos especiais relacionados às batalhas e a criação dos seres fantásticos são também perfeitos. Aliás, outro tópico a ser comentado é a coreografia das lutas, que aliada à direção de fotografia, ficou bem semelhante a dos desenhos animados. O que mais impressiona de fato é a fotografia.  Pixelizada e dessaturada, em um tom ouro velho, ela dá um aspecto antigo às imagens, com brilho opaco.

Mas como nem tudo são flores, o filme desliza no roteiro muito fraco. Não há uma trama envolvente, nem aprofundamento na construção dos personagens. Entretanto, devemos lembrar que o filme é uma adaptação e que Sin City, a primeira história em quadrinhos de Frank Miller que foi adaptada para o cinema, também sofreu com o excesso de violência e impacto estético em contraposição a profundidade rasa de um pires. Se o enfoque tivesse se mantido na mitologia em vez de nas cenas de guerra, explorando mais os seres grotescos, 300 teria a grandiosidade em conteúdo e não somente na forma, de um verdadeiro épico.

Ficha Técnica

Diretor: Zach Snyder

Elenco: Gerard Butler, Rodrigo Santoro, Lena Headey, Dominic West…

Gênero: Ação Épico

Produção: EUA

Duração: 117 min

Publicado originalmente em 01 de maio de 2007.

You may also like

A grande aposta
Reações facebookianas aos filmes do Oscar
O regresso
Apostas para o Festival do Rio 2014

Deixe um comentário