5
mai
2011
1

O libertino

Uma ode à verdade

O novato diretor Laurence Dunmore fez sua estreia no cinema com o pé direito. O libertino é denso e dilacerante, e ainda consegue buscar originalidade dentro da narrativa clássica. Conta com uma direção de arte mais compromissada com a fidelidade histórica do que com a beleza, privilegiando a verossimilhança na constituição da feia e imunda Londres do século XVII. A fotografia mantém essa mesma linha, reproduzindo de forma mais acentuada o contraste de luzes e sombras criado pelas velas. Há, por isso, um aspecto de envelhecido na imagem, que passeia por tons predominantemente escuros. Continue lendo

4
mai
2011
0

O código Da Vinci

Longe do original

Quando um best-seller é adaptado para o cinema, se cria uma enorme expectativa, principalmente se foram vendidos 60 milhões de exemplares em todo o mundo, o que significa dizer que mesmo quem não leu, pelo menos já ouviu falar no polêmico livro, O código Da Vinci. Por ser adepto da teoria de que Jesus Cristo teria se casado com Maria Madalena e tido uma filha, joga pelo ralo sua divindade, ou seja, a base na qual se sustenta a Igreja Católica, o que provocaria uma crise de credibilidade sem precedentes. Para compor uma trama interessante envolvendo esse assunto, o autor misturou suspense com informações históricas e relativas à arte, em especial obras de Leonardo Da Vinci, que seria também um defensor da tal tese. Continue lendo

3
mai
2011
0

Achados e perdidos

Noir carioca

Baseado no romance homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, Achados e perdidos é uma adaptação brasileira do gênero noir ambientada no Rio de Janeiro. Faz um fiel retrato do submundo do bairro de Copacabana, abandonando a visão de “princesinha do mar” e salientando seu lado notívago, sujo e perigoso, um universo de prostitutas, bandidos, crimes, solidão, drogas e corrupção. Continue lendo

2
mai
2011
0

V de vingança

V de vingança e P de polêmica

O filme V de vingança, baseado na graphic novel homônima dos anos 80 de Alan Moore, vem causando polêmica mundo afora, o que se deve ao fato de mostrar um terrorista como herói. O longa traz consigo uma abordagem interessante nesse quesito, pois mostra o protagonista V como um justiceiro guardião da liberdade, ao mesmo tempo em que questiona se violência deve ser solucionada com violência. Continue lendo

1
mai
2011
0

Match point – Ponto final

         O novo filme de Woody Allen lhe rendeu sua 14ª indicação ao Oscar de melhor roteiro original. Como ele mesmo declarou em entrevista, essa é uma de suas melhores criações. Realmente, o cineasta construiu uma história bem amarrada sobre ambição, poder, luxúria, destino e sorte, saindo de sua habitual crônica nova-iorquina com pitadas de humor inteligente. Conta ainda com as ótimas atuações de Scarlett Johansson e Jonathan Rhys-Meyers.
Continue lendo

29
abr
2011
0

Post Inaugural

Finalmente o post inaugural! Demorou, mas saiu! Demorou 5 anos, mas a partir de agora todas as resenhas publicadas na coluna Sétima Arte do jornal Petrópolis em Cena estarão disponíveis aqui para serem lidas, relidas, comentadas, criticadas ou o que bem entenderem. Todas mesmo, as antigas e as futuras. O objetivo é criar um espaço de discussão sobre Cinema, então a sua participação é mais que bem-vinda!

     Mas é no dia 01 de maio que o Cinédoque inaugura de verdade, pois a partir desta data subirei 1 resenha por dia em ordem cronológica crescente. São 50 e muitas já publicadas. Fora comentários livres sobre outros lançamentos cinematográficos e afins, que também rolarão por aqui sem data, nem hora marcada. Você pode acompanhar as atualizações do blog pelo nosso Twitter e/ou Facebook, é só clicar nos botões deles ali em cima na barra lateral.

     Fiquem à vontade, a casa é de vocês!

1
fev
2010
0

Onde vivem os monstros

TODO MENINO É UM REI

Onde vivem os monstros, novo filme do diretor Spike Jonze, é baseado no livro infantil homônimo lançado em 1963 nos EUA, que se tornou rapidamente um dos mais vendidos do gênero. A obra do escritor Maurice Sendak é basicamente composta por ilustrações, possuindo apenas nove sentenças escritas, o que fez dessa adaptação para a telona um desafio.
Continue lendo