5
mai
2011
1

O libertino

Uma ode à verdade

O novato diretor Laurence Dunmore fez sua estreia no cinema com o pé direito. O libertino é denso e dilacerante, e ainda consegue buscar originalidade dentro da narrativa clássica. Conta com uma direção de arte mais compromissada com a fidelidade histórica do que com a beleza, privilegiando a verossimilhança na constituição da feia e imunda Londres do século XVII. A fotografia mantém essa mesma linha, reproduzindo de forma mais acentuada o contraste de luzes e sombras criado pelas velas. Há, por isso, um aspecto de envelhecido na imagem, que passeia por tons predominantemente escuros.

Mas tudo fica em segundo plano quando Johnny Depp entra em cena, sustentando magnificamente o complexo papel principal de John Wilmot, o Conde de Rochester. Sua atuação é tão visceral e os diálogos tão ágeis, que o espectador é sucumbido e todo o resto passa despercebido. O excelente roteiro, adaptado por Stephen Jeffreys da peça homônima, da qual é também autor, deu base para que o ator pudesse se aprofundar no universo do poeta que escandalizou a corte do Rei Charles II em 1660, com seus poemas e peças obscenas. A cada minuto de exibição Depp se aventura mais no espírito do artista maldito, hedonista ao extremo, beirando o autodestrutivo.

Um aspecto interessante do filme é a forte referência ao renascimento do teatro inglês, após seu fechamento em 1642, pondo fim ao teatro elisabetano. Essa arte aparece não só como elemento presente da vida cultural da época, mas também na constituição da linguagem do filme, como no início quando o protagonista começa seu prólogo falando diretamente para a câmera, rompendo o limite da diegese.

Ao fim da sessão uma coisa é certa: O libertino é um filme, acima de qualquer coisa, sobre a verdade. Sua forte presença é perceptível tanto na vida do personagem, um transgressor e defensor da realidade crua em um período marcado por intrigas, falso moralismo e hipocrisia, quanto na entrega das atuações em geral, ou na própria concepção do filme, que reproduziu fielmente um retrato daquele tempo.

Ficha Técnica

Diretor: Laurence Dunmore

Elenco: Johnny Depp, John Malkovich, Samantha Morton…

Gênero: Drama

Produção: Reino Unido e Austrália

Duração: 114 min

Publicado originalmente em 01 de agosto de 2006.

Deixe um comentário